Porque os ímpios prosperam e os justos sofrem?

Um dilema que todo crente em Cristo enfrenta: porque muitas vezes os ímpios prosperam e os justos sofrem? Esse dilema é antigo e está nas páginas da Bíblia. O salmo 73 foi escrito para nos instruir e consolar acerca desse assunto.

   Esse dilema pode tornar-se perigoso

       Essa questão pode nos fazer duvidar da justiça de Deus e fazer-nos escorregar. Foi isso que quase aconteceu com Asafe: “Quanto a mim, os meus pés quase se desviaram; pouco faltou para que escorregassem meus passos.” (Sl 73.2). E isso pode causar inveja “pois eu tinha inveja dos soberbos, ao ver a prosperidade dos impios.” (Sl 73.3). A Bíblia, porém, ordena claramente a não termos inveja dos ímpios “Não tenhas inveja dos homens malignos, não desejes estar com eles.” (Pv 24.1)

   O que acontece com o justo acontece com o ímpio

     Essa é uma realidade que a Bíblia atesta. “Tudo sucede igualmente a todos: o mesmo sucede ao justo e ao ímpio, ao bom e ao puro, como ao impuro; assim ao que sacrifica como ao que não sacrifica; assim ao bom como ao pecador; ao que jura como ao que teme o juramento.” (Ec 9.2). Salomão chega a afirmar que às vezes o que era para acontecer com o ímpio acontece com o justo e vice-versa “tudo isso vi nos dias da minha vaidade; há um justo que perece na sua justiça, e há um ímpio que prolonga seus dias na sua maldade.” (Ec 7.15).

   Nossa visão humana é falha

    Asafe começa a enumerar coisas que ele percebia que acontecia aos ímpios e não acontecia aos justos: ele diz que o ímpios não sofrem na sua morte (Sl 73.4), não sofrem aflições (Sl 73.5), são prósperos (Sl 73.6), apesar de serem corruptos (Sl 73.8), blasfemos (Sl 73.9) e indiferentes ao Senhor (Sl 73.11). Asafe chega a duvidar da justiça de Deus “Na verdade em vão tenho purificado o meu coração e lavado as minhas mãos na inocência. ” (Sl 73.13). Porém, essa visão de Asafe estava distorcida. Ele estava analisando os fatos da perspectiva humana que é limitada temporalmente e espacialmente. Tudo mudou quando ele entrou no santuário de Deus.

     Recuperando a visão

     Asafe não recebeu uma bênção. O texto não sugere que as circunstâncias da sua vida mudaram. O que mudou foi a sua visão. Ele deixa de interpretar a realidade da perspectiva humana e começa a analisá-la  como Deus analisa. E assim, ele muda radicalmente sua percepção “Até que entrei no santuário de Deus; então, entendi eu o fim deles. Certamente, tu os pusestes em lugares escorregadios; tu os lanças em destruição. Como caem na desolação, quase num momento! Ficam totalmente consumidos de terrores.” (Sl 73.17-19).

   Conclusão

    Tanto o ímpio como o justo sofrem as mesmas coisas. Os justos habitam em um mundo corrompido pelo pecado e enquanto estivermos aqui sofreremos os efeitos disso. Não devemos ter inveja dos ímpios, a sua prosperidade é apenas ilusória. Devemos ver a realidade da perspectiva de Deus para não distorcê-la.

Comentários