Pode haver divergência de opiniões no meio cristão?

 Vivemos em uma época problemática onde discordar da opinião alheia pode atrair para si adjetivos desagradáveis. Porém, será que a divergência de opiniões significa falta de respeito com o outro? para respeitar alguém devemos sempre concordar com ela? a bíblia ordena termos a mesma opinião em tudo? vou apresentar dois argumentos bíblicos e dois argumentos retirados da história da igreja para demonstrar que pode haver diferenças de opiniões no meio cristão sem necessariamente eliminar a unidade dos crentes.

               Talvez o mais famoso caso de contenda relatada na bíblia foi entre Paulo e Barnabé. Paulo e Barnabé partiu para sua primeira viagem missionária saindo de Antioquia. De Antioquia ele desceu para Selêucida e dali navegaram para Chipre (At 13.4). Chegando na cidade de Salamina anunciaram a palavra nas sinagogas dos judeus e tinham João Marcos como cooperador. (At 13.5). Eles então atravessaram a ilha de Chipre e chegaram em Pafos. (At 13.6). De Pafos eles partiram para Perge da Panfília. Foi em Perge que João Marcos apartou-se deles e voltou para Jerusalém. Depois de um tempo Paulo e Barnabé desejaram retornar as cidades que eles tinham visitado em sua viagem missionária para saber como estavam os irmãos. (At 15.36). Barnabé, então, queria que seu sobrinho João Marcos fosse com eles. (At 15.37). Paulo, no entanto, discordou, pois João Marcos tinha regressado para Jerusalém quando eles tinham chegado na Panfília e não os tinha acompanhado naquela obra. (At 15.38). A contenda entre eles chegou ao ponto de eles separarem na viagem. Barnabé partiu com João Marcos para Chipre e Paulo escolheu Silas para o acompanhar e partiram para a Síria e Cilícia. (At 15.39-41). Esse desentendimento não provocou nenhum tipo de ressentimento entre os envolvidos e podemos afirmar isso pois o próprio Paulo recomendou a igreja de Colossos que recebesse com hospitalidade a João Marcos “Aristarco, que está preso comigo, vos saúda, e, Marcos, o sobrinho de Barnabé, acerca do qual já recebeste mandamentos; se for ter convosco, recebei-o.” (Cl 4.10)

                Paulo e Pedro também se envolveram em uma contenda. Paulo repreendeu Pedro pessoalmente (Gl 2.11). Pedro estava agindo de forma dissimulada, na presença dos judeus ele não comia com os gentios como se essa divisão ainda existisse no ambiente da igreja (Gl 2.12). Até mesmo Barnabé se deixou levar por essa dissimulação (Gl 2.13). Paulo foi direto e incisivo repreendendo a Pedro “Mas, quando vi que não andavam bem e direitamente conforme a verdade do evangelho, disse a Pedro na presença de todos: se, tu, sendo judeu, vives como os gentios, e não como judeu, porque obriga os gentios a viverem como judeus?” (Gl 2.14). Deste episódio também não ficou nenhum tipo de ressentimento como podemos observar nas palavras de Pedro em de suas cartas “E tende por salvação a longanimidade de nosso Senhor; como também o nosso amado irmão Paulo vos escreveu, segundo a sabedoria que lhe foi dada.” (2 Pe 3.15).

             Na história da igreja temos uma controvérsia entre Jonathan Edwards e seu avô Salomão Stoddard. A controvérsia girava em torno da celebração da santa ceia. Salomão Stoddard era da opinião de que a ceia era uma oportunidade para não convertidos se converterem a Cristo no momento da celebração. Ou seja, ele aceitava que não crentes participassem da ceia para que eles eventualmente confessassem a Cristo em algum momento. Edwards praticava esse ensinamento do seu avô, mas posteriormente ele criticou essa prática. Salomão Stoddard era pastor na cidade de Northampton, Estados Unidos, tendo seu neto Jonathan Edwards como seu auxiliar. “Embora tenha rejeitado o que seu avô ensinou e praticou, o que vemos é um elo muito estreito entre Edwards e seu avô, de quem foi assistente e sucessor, além de um carinho enorme por seu tio, Jonh Stoddard que, a despeito de toda a busca de Edwards pela verdade das escrituras quanto a ceia, não deixou de ser, até o último de seus dias, um grande esteio e inspiração para Edwards.” Teologia Brasileira

             Por último temos um exemplo entre os pioneiros da Assembleia de Deus no Brasil: Gunnar Vingren e Samuel Nystrom. Gunnar Vingren era simpático ao ministério feminino e consagração de mulheres na igreja. Samuel Nystrom era de opinião contrária. Esse assunto foi discutido na primeira convenção Geral das Assembleias de Deus no Brasil em 1930, em Natal. A esposa de Gunnar Vingren, Frida Vingren era uma mulher atuante na igreja e inclusive foi a única mulher a participar ativamente das reuniões da convenção. A decisão da convenção foi a de rejeitar o ministério feminino. “As irmãs tem todo o direito de participar da obra evangélica, testificando de Jesus e sua salvação, e também ensinando quando for necessário. Mas, não se considera que uma irmã tenha função de um pastor da igreja ou de uma ensinadora, salvo em casos excepcionais mencionados em Mateus 12.3-8 (uma referência ao princípio da necessidade). Isso deve acontecer somente quando não existam na igreja irmãos capacitados para pastorear ou ensinar.” (Decisão da Convenção Geral reunida na cidade de Natal/RN em Setembro de 1930). Mário Sérgio Santana Gunnar Vingren e Samuel Nystrom tiveram atritos nesta questão, porém nunca perderam a comunhão entre eles.

            Esses exemplos demonstram que diferenças de opiniões não significam necessariamente falta de respeito com o outro. As pessoas envolvidas nesses episódios não perderam a admiração e carinho uns pelos outros. A bíblia chega a dizer que nós devemos ter o mesmo parecer “Irmãos, em nome do nosso Senhor Jesus Cristo suplico a todos vocês que concordem uns com os outros no que falam, para que não haja divisão entre vocês, e, sim, que todos estejam unidos num só pensamento e num só parecer.” (1 Co 1.10). Porém, sabemos que as pessoas tem níveis de maturidade diferentes, nem todos tem o mesmo nível intelectual e temos experiência de vida diferentes. Isso tudo contribui para que formemos opiniões diferentes. Só podemos interpretar esse versículo como uma recomendação ideal, mas que às vezes é impossível ser concretizada. O que a bíblia ordena então? Que mesmo diante de uma controvérsia possamos ter uma disposição humilde e compreensiva para que mesmo diante da contenda permaneçamos unidos e em comunhão. Foi essa atitude que vimos nos exemplos citados acima.

Comentários