PÁSCOA – NEM A VERDADEIRA NEM A FALSA

Páscoa, uma festa puramente israelita (Ex 12).

Quando o povo de Deus estava sendo escravizado no Egito, Deus levantou Moisés para libertá-lo de Faraó, o imperador egípcio.

Para isso, Deus enviou as famosas dez pragas sobre o Egito. Inicialmente, transformou a água em sangue. Depois, Deus enviou piolhos, moscas, peste nos animais, úlceras, saraiva, gafanhotos; e, para a nona praga, Deus resolveu escurecer tudo. E Faraó endureceu o coração, não permitindo o povo sair. Por fim, Deus resolveu ferir todos os primogênitos do Egito.

Antes de matar os primogênitos egípcios, Deus instituiu a Páscoa entre os israelitas naquela noite. Em cada casa deveria se matar um cordeiro sem defeito, e com o seu sangue eles marcariam as portadas de suas casas. O cordeiro deveria ser assado sem quebrar ossos e comido com pães sem fermento e ervas amargas.

Por que Páscoa? Porque naquela noite Deus iria enviar um anjo que iria a cada casa. Na casa que tivesse a marca do sangue, ele passaria por cima. Mas, se não tivesse a marca do sangue, o anjo entraria na casa e mataria o primogênito dali, inclusive o de Faraó.

E assim aconteceu. Faraó, pois, e todo o seu povo, ordenou e fez que os israelitas se apressassem, deixando a terra deles. E caminharam em busca da terra prometida.

Entendeu o que é Páscoa? Páscoa é uma festa israelita que quer dizer passagem. Passagem porque o anjo passou por cima da casa deles, não ferindo seus primogênitos. A Páscoa passou a ser comemorado anualmente em Israel.

Não é nem preciso dizer que o que o Brasil comemora esta semana não tem nada a ver com Páscoa! É um absurdo! E nós, evangélicos, comemoramos o quê? A Páscoa verdadeira? Nunca! Admitimos que a Páscoa era uma festa israelita. E o que comemoramos, então? Nós não comemoramos nada! E a Santa Ceia?! Ora, a Páscoa é uma coisa; a Santa Ceia é outra. Os símbolos da Páscoa são o cordeiro, os pães asmos e as ervas amargas; os símbolos da Santa Ceia são o pão e o vinho (ou suco de uva). A Páscoa foi instituída para Israel; a santa Ceia foi instituída para a Igreja do Novo Testamento.

E o que há de comum entre ambas as celebrações? É que em na Páscoa morre um cordeiro, que também representa o Cordeiro de Deus, morto na cruz para nos libertar, situação lembrada na Santa Ceia. Mas ratificamos que ambas as celebrações são distintas.

 

Aí está o significado da Páscoa. Os israelitas a celebravam de forma correta; o mundo celebra de forma errada; e nós não a celebramos de jeito nenhum. A Páscoa era para Israel e seus visitantes; para nós, não!


Jonas Carlos

Comentários