O Evangelho da cruz e o “evangelho da loucura”

 

Segundo a Bíblia, a Palavra da cruz é loucura para os que perecem, e não para os salvos (1 Co 1.18). Para estes, a comunicação do Evangelho puro e simples é o poder de Deus para salvação de todo aquele que crê (Rm 1.16). Entretanto, hoje, existem celebridades do Mundo Gospel que estão pregando a sua própria loucura, e não o Evangelho que os ímpios e pecadores consideram loucura.

Pessoas que pregam a sua própria loucura cheiram a Bíblia, como se fosse cocaína, mastigam livros comestíveis em público, como se estivessem comendo o Livro Santo, andam como animais quadrúpedes, rugem como leão, batem asas como se fossem levantar voo, derramam cântaros de óleo sobre a própria cabeça ou a dos outros, etc. Essas atitudes insanas, incabíveis, profanas, blasfemas — em alguns casos —, impróprias, infelizes, embora sejam defendidas por fãs enlouquecidos, torcem a mensagem do Evangelho.

O Evangelho que é loucura para os que perecem é o da cruz de Cristo; é oCristianismo puro e simples — título da brilhante obra do pensador cristão C.S. Lewis. Sabe o que é loucura para os que perecem? Não é a famigerada “loucura sem limites” dos “adoradores extravagantes”. O apóstolo Paulo, no Areópago, em Atenas, não cheirou pergaminho, não tocou shofar, não derramou azeite sobre a própria cabeça, não engatinhou, não deu gargalhadas, não pregou a Teologia da Prosperidade, etc. Mas foi tido como louco. Por quê? Em Atos 17.18 temos a resposta: “Porque lhes anunciava a Jesus e a ressurreição”.

Loucura para os que perecem não são as sandices e invencionices do Mundo Gospel. Loucura para os que perecem é amar e pregar a mensagem da cruz. É anunciar para as pessoas que vivem neste mundo tenebroso que o Senhor Jesus, o Deus-Homem, foi concebido por obra e graça do Espírito, no ventre de Maria; que Ele nasceu sem pecado, viveu sem pecado, morreu por nossos pecados e ressuscitou para a nossa justificação.

Amém?

Ciro Sanches Zibordi

 

Comentários