A grande mídia evangelicofóbica ataca outra vez

Um gay é assassinado ou é agredido. Quem são os culpados? Antes de qualquer apuração, a grande mídia, o parlamentar bbbrasileiro com nome francês e sobrenome que nos faz lembrar de um carro antigo, bem como os ativistas LGBTUVWXYZ vão para as redes sociais e sentenciam: “Os culpados são os pastores fundamentalistas”. Um famoso médium é assassinado com requintes de crueldade, e o túmulo de Chico Xavier é violado. Adivinha quem fez tudo isso? Os “perigosos evangélicos”, é claro!

Bem, das duas, uma: Ou os evangélicos são realmente a escória da sociedade, intolerantes, preconceituosos, cruéis; ou existe uma grande orquestração evangelicofóbica e hitlerista pela qual se pretende gerar uma perseguição generalizada contra todas as pessoas que professam a fé evangélica.

Aliás, a grande mídia já afirmou que “traficantes evangélicos” expulsam mães e filhos de santo de favelas; que “bandidos evangélicos” incendiaram sede da ONG AfroReggae (RJ); que “fundamentalistas evangélicos” estão por trás dos crimes homofóbicos, etc. Agora, ela tem afirmado — ou, pelo menos, sugerido — que “intolerantes evangélicos” apedrejaram uma menina candomblecista de 11 anos. Meu Deus, como os evangélicos são preconceituosos e cruéis!

O que fazer, diante de tantas acusações? Devemos chamar gays, religiosos e ateus, a fim de lavar os seus pés diante das câmeras da Rede Globo, pedindo-lhes perdão por nossa intolerância e reconhecendo que somos a escória da sociedade? Ou devemos — com ousadia, mansidão e temor (At 4.31; Fp 1.16; 1 Pe 3.15) — pregar e defender o Evangelho, respondendo a essa estratégia hitlerista e evangelicofóbica de querer transformar os evangélicos nos grandes vilões da pós-modernidade?

Autor: Ciro Sanches Zibordi

Fonte: CPAD NEWS

Comentários